domingo, 27 de Maio de 2007

Anos 40 – A Moda e a Guerra



Em 1940, a Segunda Guerra Mundial já havia começado na Europa. A cidade de Paris, ocupada pelos alemães em Junho do mesmo ano, já não contava com todos os grandes nomes da alta costura e seus ateliers. Muitos estilistas mudaram-se, fecharam os seus ateliers ou mudaram-nos para outros países.


A Alemanha ainda tentou destruir a indústria francesa de costura, levando os ateliers parisienses para Berlim e Viena, mas não teve êxito. O estilista francês Lucien Lelong, então presidente da câmara sindical, teve um papel importante nesse período ao preparar um relatório defendendo a permanência dos ateliers no país. Durante a guerra, 92 ateliers continuaram abertos em Paris.


Apesar das regras de racionamento impostas pelo governo, que também limitava a quantidade de tecidos que se podia comprar e utilizar na fabricação das roupas, a moda sobreviveu à guerra.
A silhueta do final dos anos 30, em estilo militar, perdurou até ao final dos conflitos. A mulher francesa era magra e as suas roupas e sapatos ficaram mais pesados e sérios.


A escassez de tecidos fez com que as mulheres tivessem de reformar as suas roupas e utilizar materiais alternativos na época, como a viscose, o raiom e as fibras sintéticas. Mesmo depois da guerra, essas habilidades continuaram a ser muito importantes para a consumidora média que queria estar na moda, mas não tinha recursos para isso.


Na Grã-Bretanha, o "Fashion Group of Great Britain", dirigido por Molyneux, criou 32 peças de vestuário para serem produzidas em massa. A intenção era criar roupas mais atraentes, apesar das restrições. O corte era recto e masculino, ainda em estilo militar. As jaquetas e abrigos tinham ombros acolchoados angulosos e cinturões. Os tecidos eram pesados e resistentes, como o tweed, muito usado na época. As saias eram mais curtas, com pregas finas ou franzidas. As calças compridas tornaram-se práticas e os vestidos, que imitavam uma saia com casaco, eram populares.


O nylon e a seda faltavam, fazendo com que as meias finas desaparecessem do mercado. Elas foram trocadas pelas meias soquetes ou pelas pernas nuas, muitas vezes com uma pintura falsa na parte de trás, imitando as costuras.
Os cabelos das mulheres estavam mais longos que os dos anos 30. Com a dificuldade em encontrar cabeleireiros, os grampos eram usados para prendê-los e formar cachos. Os lenços também foram muitos usados nessa época.A maquilhagem era improvisada com elementos caseiros. Alguns fabricantes apenas recarregavam as embalagens de batom, já que o metal estava a ser utilizado na indústria bélica.


A simplicidade a que a mulher estava submetida talvez tenha despertado o seu interesse pelos chapéus, que eram muito criativos. Nesse período surgiram muitos modelos e adornos. Alguns eram grandes, com flores e véus; e outros, menores, de feltro, em estilo militar. Durante a guerra, a alta costura ficou restrita às mulheres dos comandantes alemães, dos embaixadores em exercício e àquelas que de alguma forma podiam frequentar os salões dos grandes ateliers.


Alguns estilistas abriram novos ateliers em Paris durante a guerra, como Jacques Fath (1912-1954), que se tornaria muito popular nos Estados Unidos após a guerra, Nina Ricci (1883-1970) e Marcel Rochas (1902-1955), um dos primeiros a colocar bolsos em saias. Alix Grès (1903-1993) chegou a ter o seu atelier fechado logo após a inauguração, em 1941, pelos alemães, por ter apresentado vestidos nas cores da bandeira francesa. A sua marca era a habilidade em drapear o jérsei de seda, com acabamento primoroso.


Outro estilista importante foi o inglês Charles James (1906-1978), que, no período de 1940 a 1947, em Nova York, criou os seus mais belos modelos. Chegou a antecipar, em alguns, o que viria a ser o "New Look", de Christian Dior.


Durante a guerra, o chamado "ready-to-wear" (pronto para vestir), que é a forma de produzir roupas de qualidade em grande escala, desenvolveu-se. Através dos catálogos de venda por correspondência com os últimos modelos, os pedidos podiam ser feitos de qualquer lugar e entregues em 24 horas pelos fabricantes.


Sem dúvida, o isolamento de Paris fez com que os americanos se sentissem mais livres para inventar a sua própria moda. Nesse contexto, foram criados os conjuntos, cujas peças podiam ser combinadas entre si, permitindo que as mulheres pudessem misturar as peças e criar novos modelos. A partir daí, um grupo de mulheres lançou os fundamentos do “sportswear” americano. Com isso, o "ready-to-wear", depois chamado de "prêt-à-porter" pelos franceses, que até então havia sido uma solução para os tempos difíceis, transformou-se numa forma prática, moderna e elegante de se vestir, com a falta de materiais em quase todos os sectores e em todos os países.


Com a libertação de Paris, em 1944, a alegria invadiu as ruas, assim como os ritmos do jazz e as meias de nylon americanas, trazidas pelos soldados, que levaram de volta para as suas mulheres, o perfume Chanel nº 5.


Em 1945, foi criada uma exposição de moda, com a intenção de angariar fundos e confirmar a força e o talento da costura parisiense. Como não havia material suficiente para a produção de modelos luxuosos, a solução foi vestir pequenas bonecas, moldadas com fio de ferro e cabeças de gesso, com modelos criados por todos os grandes nomes da alta costura francesa. Importantes artistas, como Christian Bérard e Jean Cocteau, participaram na produção da exposição, composta por 13 cenários e 237 bonecas, devidamente vestidas, da roupa desportiva ao vestido de baile, com todos os acessórios, lingeries, chapéus, peles e sapatos, tudo feito manualmente, idênticos, em acabamento e luxo, aos de tamanho natural.


No dia 27 de Março de 1945, "Le Théatre de la Mode" (O Teatro da Moda) encantou os seus convidados em Paris. Mais de 200 mil franceses visitaram a exposição, que seguiu para vários países, como Espanha, Inglaterra, Áustria e Estados Unidos, sempre com muito sucesso.


No pós-guerra, o curso natural da moda seria a simplicidade e a prática, características da moda lançada por Chanel anteriormente. Entretanto, o francês Christian Dior, na sua primeira colecção, apresentada em 1947, surpreendeu a todos com as suas saias rodadas e compridas, cintura fina, ombros e seios naturais, luvas e sapatos de saltos altos.


O sucesso imediato do seu "New Look", como a colecção ficou conhecida, indica que as mulheres ansiavam pela volta do luxo e da sofisticação perdidos.


Dior estava imortalizado com o seu "New Look" jovem e alegre. Era a visão da mulher extremamente feminina, que iria ser o padrão dos anos 50.

Sem comentários: